Home / Educação / Vida saudável; Suco ou Fruta? A Nutricionista Solaine Marques explica sobre esse tema, confira!
Clique e Saiba mais

Vida saudável; Suco ou Fruta? A Nutricionista Solaine Marques explica sobre esse tema, confira!

Foto: Reprodução Google

Solaine Marques

Na vida corrida da modernidade, alimentos naturais têm sido cada vez menos consumidos, por serem considerados menos práticos. As frutas são exemplos dessa redução no consumo, por ocupar espaço na geladeira, precisarem ser cortadas, descascadas, lavadas, ou receber qualquer tratamento anterior à ingestão.

O lugar das frutas está sendo ocupado por sucos, muitas vezes industrializados, vendidos em caixas e sacos, ou feitos com polpa de frutas ensacadas. Quando são feitos sucos naturais, em geral, são coados e adicionados de açúcar ou adoçantes artificiais. Será que estas trocas estão sendo benéficas para a saúde da população?

As frutas são alimentos ricos em fibras solúveis (capazes de reduzir o colesterol e manter a homeostase intestinal) e insolúveis (evitam a obstipação), em vitaminas (dentre as quais destaca-se a C, importante antioxidante que previne doenças crônicas não transmissíveis e envelhecimento precoce) e em diversos compostos bioativos antioxidantes, como carotenoides, flavonoides e terpenos. A maior ingestão de frutas está associada à redução do risco de cânceres, obesidade, doenças neurodegenerativas, hipertensão, entre outras enfermidades. Sendo assim, são essenciais em cardápios saudáveis.

Sucos industrializados (aqueles de caixinha ou pó, ainda piores), por outro lado, não contêm fibras ou compostos bioativos. São adicionados de quantidade excessiva de açúcar (obesogênico e inflamatório) ou de adoçantes artificiais (que podem causar obesidade e enxaquecas). Podem conter corantes, como o de caramelo e a tartrazina, além de outros aditivos químicos, interpretados por nosso organismo como xenobióticos, e assim sendo, geram estresse oxidativo e inflamação. O consumo de bebidas adoçadas está associado a elevação do risco de diabetes, obesidade, doenças cardiovasculares, entre outras patologias.

Foto: Reprodução Google

Outra opção muito utilizada nos dias atuais é o uso das polpas de frutas, que em geral, não contêm aditivos químicos, o que já se constitui em uma vantagem sobre os sucos de pó ou caixinha. As polpas, porém, são pobres em fibras, que são retiradas ou quebradas por enzimas em seus processamentos. Perdem também algumas vitaminas e compostos bioativos não resistentes ao tratamento térmico que recebem antes de serem ensacadas. Uma dica é não adicionar açúcar ou adoçantes artificiais.

Os sucos naturais das frutas não substituem as frutas in natura, mas certamente superam em benefícios à saúde, os de caixa, pó ou polpa. Bater frutas doces, que não necessitam ser adoçadas, não coar os sucos e combinar com ingredientes como hortaliças, fibras e especiarias pode ser uma ótima ideia. Abacaxi com hortelã, laranja com cenoura, maçã com couve e limão… São infinitas combinações de sucos antioxidantes, destoxificantes, e antiinflamatórios. Lembre-se que líquidos durante as grandes refeições não são boas opções, pois dificultam a digestão.

Foto: Reprodução Google

Fonte: Solaine Marques/Nutricionista

Texto elaborado pelo depto. científico da VP Consultoria Nutricional

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  1. SILVA, P. J. Escolhas e influências dos consumidores de alimentos na modernidade reflexiva:Um estudo em supermercados. Dissertação, Programa de Pós-Graduação em Sociologia,Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná. 2006, p. 19-93
  2. FERREIRA, S. R. G. Alimentação, nutrição e saúde: avanços e conflitos da modernidade. Cienc Cult; 62(4): 31-33, 2010.
  3. BISMARCK-NASR, E. M.; FRUTUOSO, M.F.P.; GAMBARDELLA, A.M.D. Importância nutricional dos lanches na dieta de adolescentes urbanos de classe média. Pediatria (São Paulo); 28(1): 26-32, 2006.
  4. GOMES, F. S. Frutas, legumes e verduras: recomendações técnicas versus constructos sociais. Rev Nutr; 20(6): 669-680, 2007.
  5. MELO, E. A. et al. Capacidade antioxidante de frutas. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas; 44 (2): 193-198, 2008.
  6. III Diretrizes Brasileiras Sobre Dislipidemias e Diretriz de Prevenção da Aterosclerose do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol; 77(3):  1-48, 2001.
  7. LUDWIG, D. S.; PETERSON, K. E.; GORTMAKER, S. L. Relation between consumption of sugar-sweetened drinks and childhood obesity: a prospective, observational analysis. Lancet; 8: 357: 505, 2001.
  8. FERREIRA, T. S.; CHAFAUZER, C.; ARAÚJO JÚNIOR, F.M.; SILVA, G.B. Obesidade central em jovens. Science in health; 3(2): 61-73, 2012.
  9. AXON, A.; MAY, F.E.; GAUGHAN, L.E.; et al. Tartrazine and sunset yellow are xenoestrogens in a new screening assay to identify modulators of human oestrogen receptor transcriptional activity. Toxicology; 298(1-3): 40-51, 2012.

Veja Também

Acidente é registrado pela Polícia Rodoviária Estadual entre Encantado e Palotina-PR